Skip to content

Com funcionamento eficiente, UTI da Santa Casa de Capivari completa dois meses de atendimento

Nesta terça-feira, dia 28, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Misericórdia de Capivari, chegou a marca de dois meses de funcionamento, desde sua abertura anunciada em coletiva de imprensa no dia 28 de julho. O local segue sendo usado apenas para atendimento a casos de Covid-19, porém com uma equipe ágil vem atingindo níveis de excelência entre os pacientes.

Durante os primeiros 60 dias de funcionamento, 56 pacientes já passaram pela unidade, sendo atendidos por 10 médicos, seis enfermeiros, quatro fisioterapeutas, quatro profissionais de apoio e 15 técnicos de enfermagem, responsáveis por prestar auxílio aos pacientes que estão em busca da recuperação.

De acordo com dados levantados pela Fundação Oswaldo Cruz, menos de 10% dos municípios do Brasil possuem UTI. Em Capivari, a unidade voltou a funcionar após um período de 10 anos de inatividade. Recentemente, foram recebidos R$100 mil reais em novos equipamentos para atender os sete leitos disponíveis.

O prefeito de Capivari, Vitão Riccomini, comemora a importância desta data. “Hoje estamos felizes em celebrar dois meses de funcionamento da UTI em Capivari, temos funcionários empenhados em salvar vidas a todo custo e equipamentos que permitem que todos os pacientes sejam atendidos da melhor forma possível. Muito em função disso, os investimentos em Saúde não vão parar por aqui”, concluiu.

Graças ao bom atendimento prestado pela unidade, somado ao avanço da vacinação contra a Covid-19 em Capivari, a UTI da Santa Casa atualmente encontra-se com todos os leitos disponíveis, de acordo com boletim epidemiológico, disponibilizado pela Secretaria de Saúde na tarde desta terça-feira, dia 28. A UTI ainda seguirá atendendo estritamente casos de Covid-19, por tempo indeterminado.

A administração da Santa Casa informa que, como não existem registros de Covid-19 que necessitariam de atendimento da UTI, a equipe trabalha empenhada no atendimento aos pacientes internados em leitos de retaguarda de emergência, ou seja, pacientes em estado grave que possuem outras comorbidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content